O que esperar da reforma tributária.

Estamos num período único de pandemia, tensões econômicas e sociais, forte aperto financeiro, desemprego na porta e vamos tentar, mais uma vez, uma reforma tributária. Penso que não é só

há 12 dias

Estamos num período único de pandemia, tensões econômicas e sociais, forte aperto financeiro, desemprego na porta e vamos tentar, mais uma vez, uma reforma tributária.

Penso que não é só possível, como também se faz absolutamente necessário.

Toda a sociedade clama por uma reforma, na tentativa de diminuir a complexidade e a injustiça fiscal.

Encontrar o melhor momento parece sempre o ideal, porém ele  nunca chega. Nunca vamos saber o momento certo. Acho mesmo que momento certo é algo que só olhando em retrospectiva, lá na frente, é que vamos realmente saber.

O mais importante é colocar o tema em discussão, onde toda a sociedade poderá participar, discutir, entender e trazer sugestões, além de poder expressar seus anseios.

Outra tarefa para a sociedade será o convencimento dos seus políticos eleitos, de discutirem e aprovarem as mudanças na direção certa, sem viés ideológico ou retrogrado, evitando discussões fora deste contexto.

Acredito que esta crise pode contribuir para uma mudança no eixo ideológico da discussão.

Talvez possamos, em plena pandemia,  tratar o tema como se deve, sem paixões, apenas preocupado com os resultados, na direção da simplificação e maior justiça fiscal.

No Brasil, principalmente os mais vulneráveis, são os que mais sofrem com a injustiça fiscal.

A nova dinâmica, além da melhora nesta difícil equação, não pode esquecer-se de facilitar o entendimento das regras, aplicação e principalmente a segurança jurídica para os empreendedores.

São os empreendedores, em última instancia,  que geram empregos e produzem riqueza e não o Estado.

Asscont

Publicado há 12 dias